Anvisa aumenta fiscalizacao contra venda de remedios abortivos

Compartilhe

Crise fez crescer busca por esses medicamentos, mas Anvisa aumenta fiscalizacao contra venda de remedios abortivos junto a policia. Entenda o caso.

Nos dias de hoje, a anvisa tem intensificado suas açoes de fiscalização para coibir a venda indiscriminada de medicamentos abortivos, o que se tornou um grave problema de saude nos ultimos tempos, ainda mais com a crise economica provocada pela pandemia do corona virus. Entenda o que tem ocorrido.

O que a anvisa tem feito?

A ação de fiscalização da Anvisa, tems e intensificado nos ultimos meses. Pelo que foi constatado pela equipe de fiscais da Agência, as pessoas que fazem esta comercialização ilegal do medicamento hospedam seus anúncios em sítios de relacionamentos, fóruns virtuais de discussão e páginas temáticas ou individuais (blogs). Utilizam inclusive provedores de instituições que são declaradamente contrárias à prática do aborto.

Outro aspecto que chamou a atenção dos fiscais da Anvisa é que o medicamento vendido nos sítios nem sempre é o produto de nome comercial Cytotec, produzido pelo laboratório Pharmacia Brasil LTDA. Alguns comprimidos são falsificados. Nas páginas retiradas do ar pela Anvisa existem ofertas chamadas de ?Kit Aborto?, com explicações de como se pode provocar a expulsão do feto e, além do comprimido, traz luvas descartáveis, cremes vaginais e antiinflamatório.

Cytotec vems endo vendido indiscriminadamente

Lançado no Brasil em 1984 para tratamento e prevenção de úlceras gástricas e duodenais, o Cytotec tem como princípio ativo o abortivo Misoprostol, responsável pelas contrações uterinas experimentadas pelas usuárias. Por causa desse efeito, o remédio tornou-se o mais popular dos recursos abortivos a tal ponto que, em 1998, o Ministério da Saúde por meio de portaria restringiu a venda do produto apenas para hospitais credenciados. Após a autuação e suspensão de veiculação dos anúncios, a fiscalização da Anvisa encaminha as informações à Polícia Federal e ao Ministério Público a fim de que casos sejam instaurados procedimentos de investigação das responsabilidades cíveis e criminais.

Atenção ao risco a saude!

O acesso ao remédio, no Brasil, é clandestino. A ilegalidade dá margem à circulação de versões falsificadas, ao uso incorreto e, algumas vezes, letal da medicação.

Se utilizado sob supervisão médica, a Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que o Misoprostol é um método seguro. Casos drásticos, em condições precárias, fazem vítimas da criminalização a cada dois dias e poderiam ser evitados.

Importante

O Aborto no Brasil não é legalizado e é questão de saude publica, seu medico deve ser consultado e somente ele pode lhe sugerir o que fazer dentro da lei e para preservar sua saude.

Sugestões de novos artigos podem deixar nos comentarios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.